17 janeiro 2015


bates-te a porta
trazes na boca a sede dos beijos
o desejo estampado no rosto
em nos o tempo não passa
provocamos-nos em desatino mutuo 
dentro do silencio murmúrios
as regras, não tem limite 
tremulas as tuas mãos
que me acariciam o corpo
procuras-me os seios
tacteando o teu dedo devora-me o sexo 
sinto o teu membro rijo
um pulsar que me endoidece 
hirto seguro-o 
quero a prova do seu sentir
vais roçando levemente em meu sexo
um tesão doido que me possui 
em desatino vais mastigando o meu sexo
castigas-me, castigas-te
torturas as nossas vontades contidas
mas em desatino perdes-te
e, em fúria 
fodes-me




6 comentários:

PEQUENOS DELITOS RENOVADOS disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
GANDALF disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Vicious Project disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Legionário disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Rick Salguery disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.