10 junho 2014

tremem-me as pernas
na pulsão latente do teu sentir 
devora-me sem piedade
destino o meu querer 
numa incerteza de ausência 
sedenta
eu sigo-te...
o cheiro
a gula
o cio
o tesão 
tenho-te sede, fome
és um balsamo em meu corpo
toma-me em teus braços
eleva-me as nuvens 
possui-me absorta 
outrora era um beijo roubado
e um dia gritei-te louca desejosa 
sinto a intensidade de nós 
a louca atracção 
o diluvio das nossas línguas
boca a boca
me dando em um banho de corpo
sentindo
deixando-me sentir




2 comentários:

In correto disse...

Versos quentes. O sentir, o desejar,... estes ninguém nos tira.


Bjokas do (In)

Moreno Pecador disse...

A Luxuria de sentir da entrega e do prazer...muito bom
Beijos