07 junho 2014

a saudade toma-me o espaço
madrugada fora escrevo uma qualquer historia
ele fez-me de seu alimento
tomou-me em seus braços e guiou-me
sequer questiono o que quer que seja
deixo-me levar como se uma pena fosse
mergulho inteira neste jogo
não adivinhas as minhas ânsias
quero para sempre 
um sempre que não sei explicar 
quero para sempre teus gostos teus sabores 
juntar a nu os corpos
tocando sentindo desvendando cada trilho
necessidade estranha de te sentir
mergulhar na tua latência
almas e corpos entrelaçados
e,
na urgência da seiva dos teus beijos
deixas-me zonza 
totalmente perdida em ti
ceifando a rendição das palavras
nos gritos mudos que já mais calarei 




  

3 comentários:

Anónimo disse...

A saudade faz história
A história faz momentos sem igual
Beijo bebé

In correto disse...

Lindos versos. Sempre delicioso vir te visitar e te ler.

Abs. do (In)

GANDALF disse...

Que nunca se calem os gritos,mesmo que sejam silenciosos.

Um beijo Grande linda