12 junho 2014

revelo-te 
que venho aqui porque te quero
mesmo que me olhes com desdém
todos sabem o que vim fazer
só tu não vês não sentes
circulas a minha volta 
como uma orbita 
recolho no corpo o macio do toque
as ânsias pronunciadas
penso estar curada de ti
e,
neste frenesim do corpo
deparo-me doente
uma doença de vontades 
é forte o cheiro do desejo
toco os teus olhos com os meus lábios
dissipam se as palavras
instante único o aconchego do teu peito
só preciso escorregar em ti
no auge da minha essência 
revelo-te
não preciso ouvir a tua voz
quero somente senti-la




3 comentários:

Imprópriaparaconsumo disse...

Na revelação da pele e do desejo tudo acaba por fazer sentido :))

GANDALF disse...

Não sei se deixo crescer a barba,se te ligo,hehehehehe.
A urgência de amar e de ser amada,quem não o deseja e não o procura?

Beijo grande linda ;))

Anónimo disse...

A órbita que em mim fazes
Faz elevar o meu desejo por ti
Beijo bebé